NÃO É PELA MACONHA, É PELA VIDA DAS MULHERES!

Por Luana Malheiro*

13626543_660909457393734_6723619792266093582_n

Recentemente, acompanhamos o pronunciamento do Governador Rui Costa (BA) acerca do seu apoio a legalização da maconha. Entretanto, é importante lembrar ao governador Rui Costa, que a nossa luta não é somente pela legalização da maconha. Não podemos incorrer no erro de supervalorizar o poder farmacológico das substâncias. Todas as drogas devem ser legalizadas porque a proibição só tem produzido danos irreparáveis a nossa população, que deveria ser alvo principal de políticas de proteção social, acabam sendo vítimas de uma política que elege a repressão como método de controle de drogas. O racismo, a desigualdade social, a desigualdade de gênero, a cultura do estupro, o feminicídio, a fragilidade dos equipamentos de proteção social que debilitam e agridem fortemente a saúde, não é o crack ou a cocaína como citou o atual governador.

É necessário realizar reflexões sobre alguns pontos ao debater a temática da política de drogas, que não deve dizer respeito apenas às substâncias psicoativas. Para começo de conversa, compreendemos que a principal estratégia utilizada por essa política é a chamada Guerra às Drogas, ou repressão, ou combate ao tráfico. Independente do nome que se dê, compreendemos que esta política militarizada tem se configurado como uma guerra contra algumas pessoas.

A Guerra às Drogas tem violentado cotidianamente as mulheres de formas diversas, concedendo um alto poder ao aparato policial, que muitas vezes é o maior violador dos seus corpos. É o ambiente político de guerra que possibilita os altos índices de estupros não apurados ou não comunicados, que são, por exemplo, os estupros ocorridos com mulheres em situação de rua, usuárias de crack. Aliás, os casos de violência sexual contra mulheres em momentos de guerra são historicamente conhecidos em diversos países como forma de subjugar e humilhar o inimigo, utilizando nossos corpos e vidas como espólio a ser tomado pelos vencedores. Durante a investigação etnográfica que desenvolvi com 16 mulheres que consomem crack em situação de rua foi possível compreender a realidade de recorrentes violações e violências do Estado contra essas mulheres em nome da chamada Guerra às Drogas.

Duas mulheres, durante o trabalho de campo, dialogavam sobre o seu consumo de crack. Refletimos juntas em que momentos da trajetória de vida das mulheres que o consumo se tornara abusivo, quando inicia este consumo e como elas percebem as variações do uso mais controlado até o uso compulsivo. As duas concluíram, a partir do compartilhamento das suas histórias de vida e da reflexão do seu contexto, que o consumo de crack era uma estratégia desesperada para controlar os sentimentos de humilhação e violência que enfrentam na rua. O crack lhes dava coragem e aliviava as dores de inúmeras violações cotidianas. Segundo uma dessas mulheres, o crack foi o que possibilitou ela sobreviver na rua sem enlouquecer.

Para compreender a vida dessas mulheres é necessário marcar que a atual política de guerra às drogas no seu viés repressivo, alimenta o projeto genocida do Estado Brasileiro de exterminar vidas de jovens negros e negras em suas comunidades. Neste sentido, o projeto de mudança da atual política de drogas deve passar por uma reflexão profunda do caráter racista, sexista e discriminatório da estratégia repressiva de proibição das drogas, para cumprir a função de pautar uma real mudança na sociedade brasileira pelo viés feminista e antirracista.

A atual política de drogas tem auxiliado no aumento do encarceramento, o Brasil tem hoje a terceira maior população carcerária do mundo. Compreendemos que o sistema carcerário cumpre a função de atualizar o racismo institucional na medida em que se utiliza da seletividade penal para punir negros e negras, em especial as mais jovens. É através desta política de drogas que temos presenciado o super encarceramento feminino. A população carcerária feminina aumentou 567% em 15 anos com crimes relacionados à associação e ao tráfico de drogas. A inserção no comércio varejista de drogas é uma possibilidade real de sustento da família frente a ausência de outras possibilidades de inserção no mercado de trabalho. Na guerra às drogas se pune desproporcionalmente muito mais as mulheres negras. Em relatório do Departamento Penitenciário Nacional, enquanto 63% das mulheres encarceradas estavam presas acusadas de crimes relacionados às drogas tidas como ilícitas, apenas 25% dos homens estavam presos pelos mesmos fatos.

O sistema punitivo no Brasil com relação a Guerra às Drogas atua em uma lógica seletiva: pune-se mais a juventude negra. No Brasil, o helicóptero do político foi pego com meia tonelada de cocaína, em 2013, e ainda não houve punição. Enquanto isso, um homem negro sem porte de drogas como Amarildo é torturado e exterminado pela UPP por estar em uma comunidade dominada pelo tráfico de drogas. Hoje o crime de associação ao tráfico é o que tem permitido que pessoas que usam crack em situação de rua sejam encarceradas, sem necessariamente ter posse da droga; estar em uma área de tráfico já torna determinados sujeitos suspeitos. Não é à toa que os suspeitos são sempre jovens negros e negros, revelando o caráter extremamente racista do Estado Brasileiro.

Não conseguimos falar sobre drogas de uma maneira honesta e cuidadosa, não conseguimos diminuir o consumo de drogas, não conseguimos diminuir o crescimento de organizações criminosas, não temos conseguido conter a violação e os abusos da polícia, não temos conseguido cuidar de maneira efetiva de pessoas que tem problemas com o uso de drogas. Hoje, boa parte dos problemas que enfrentamos é resultado da escolha pela repressão, pelo proibicionismo e pelo ideal de Guerra às Drogas, que tem se configurado como uma guerra contra determinadas pessoas que usam drogas.

Nós sabemos os reais objetivos do projeto de política de drogas que está colocado no Brasil e no Estado da Bahia, é um projeto que tem produzido adoecimento em populações que são obrigadas a viver em territórios de combate, mães que convivem com a dor do assassinato de seu filho em nome de uma guerra irracional que coloca o Estado contra a sua população. A guerra às drogas é um mecanismo que permite que o Estado extermine vidas, viole corpos femininos, desrespeite e humilhe as pessoas de forma violenta, dentro de um padrão de militar que reforça o padrão constituído pelo patriarcado, de masculinidade violenta estereotipada e de um controle abusivo dos nossos corpos e territórios. Nossa luta é pela vida e pela autonomia dos nossos corpos e vidas.

O grande problema dessa atual política de drogas é que o número de pessoas mortas nas trincheiras do combate às drogas, é infinitamente superior ao número de mortes associadas ao consumo de crack ou cocaína. O instrumento que tem nos agredido, ceifando nossas vidas é a estratégia falida de enfrentar a questão a partir de uma estratégia de Guerra. Nós precisamos de uma política de drogas que pare de matar o nosso povo, precisamos de um compromisso real do Governador com a parcela da população que mais tem sofrido com a Guerra às Drogas. Legalizar a maconha, sem um real compromisso de pôr fim a essa atual Guerra às Drogas, que acirra o racismo, as desigualdades sociais, pune seletivamente os a nossa juventude negra, para nós é só uma forma de desviar do debate que realmente nos interessa.

Luana Malheiro é da Rede Nacional de Feministas Antiproibicionistas, da Rede LatinoAmericana e Caribenha de Pessoas que usam drogas e militante da Marcha Mundial de Mulheres

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

SEGUIREMOS EM MARCHA ATÉ QUE TODAS SEJAMOS LIVRES!

%d bloggers like this: