#8Feminista da Marcha Mundial das Mulheres em todo o Brasil

Não é a toa que o 8 de março é uma data importante na agenda feminista. Historicamente, mulheres do mundo inteiro resistem às ofensivas do patriarcado e do capitalismo todos os dias. No Dia Internacional da Mulher, a Marcha Mundial das Mulheres do Brasil reúne militantes e vai às ruas com o feminismo popular que está e continuará em luta denunciando a opressão vivida por todas nós nesse sistema machista, mercantilizador, lesbofóbico, racista e destruidor da natureza.

Com batuques, bandeiras, palavras de ordem, cores e irreverência, as movimentações para o #8feminista da marcha estão a todo vapor. Serão atos públicos, panfletagens, caminhadas, rodas de conversa, debates e até blocos de carnaval trazendo as seguintes pautas: combate à violência sexista, contra a mercantilização do corpo da mulher, inclusive no período de Copa do Mundo, direito do aborto legal e seguro, construção do Plebiscito Popular por uma Constituinte Exclusiva e soberana que faça valer paridade de gênero, representação e políticas públicas efetivas para mudar a vida das mulheres, a defesa da agroecologia como alternativa de convivência e cuidado com o meio ambiente e as pessoas, e a resistência às invasões do agronegócio nos territórios de camponeses e camponesas.

Um dos temas que as movimentações que a Marcha está destacando neste ano de 2014 é a questão da prostituição. “Nós repudiamos a cooptação do discurso  feminista ‘meu corpo me pertence’ para ‘meu corpo é meu negócio’. Por isso, somos contra o projeto do Dep. Jean Wyllys que legaliza a cafetinagem, consolida a sexualidade como um serviço comercial de compra e venda e aprofunda a exploração das mulheres”. É o que diz Maria Fernanda, MMM SP.

Manifestação Feminismo em Marcha no encerramento do Encontro Internacional da MMM, São Paulo/SP. Foto: FolhaPress.

Manifestação Feminismo em Marcha no encerramento do Encontro Internacional da MMM, São Paulo/SP. Foto: FolhaPress.

No Rio Grande do Norte, Conceição Dantas fala da importância de transformar o modelo de produção e consumo e afirma que “é preciso parar os projetos de irrigação que beneficiam o agronegócio, como o projeto do Perímetro Irrigado da Chapada do APODI (RN), que, se concluído, destruirá a organização e produção das trabalhadoras desta região. Por isso, defendemos a agroecologia e a soberania alimentar, essenciais para a autonomia das mulheres e homens do campo”.

A Marcha está também construindo o Plebiscito Popular por uma Constituinte Exclusiva e Soberana do sistema político, pois acreditamos que a dupla jornada de trabalho, a falta de financiamento público para campanhas, a insuficiência de políticas públicas como creches, educação infantil e integral, dentre outras coisas, afastam as mulheres dos espaços de poder e decisão e, por isso, é preciso despatriarcalizar a política.

Cientes destas questões, as militantes da Marcha de norte a sul do país preparam o #8Feminista para reunir forças na luta!

Se ligue na agenda de mobilizações! Tod@s às ruas!

São Paulo (SP)
No 8 de março, as mulheres estão nas ruas, em luta contra a violência, pela igualdade, liberdade e por mais direitos! Concentração a partir das 9 horas no vão livre do MASP (Avenida Paulista, 1578 – próximo ao metrô Trianon-Masp). Trajeto: Paulista, Consolação até a Praça Roosevelt.

Campinas (SP)
Faremos concentração às 9h na Estação Cultura, seguida de Caminhada das Mulheres pela Rua 13 de Maio – “8 de Março dia Internacional de Luta das Mulheres”, com eixo no combate à violência. Ao final da caminhada, por volta das 10 horas, faremos o Ato Politico e Cultural das Mulheres na Praça da Catedral.

Belo Horizonte (MG)
Bloco de Carnaval “As Desobedientes do Ritmo, mulheres na rua”, concentração 8h na Praça Afonso Arinos. As pautas são: plebiscito, contra a exploração sexual das mulheres na Copa do Mundo, legalização do aborto e acesso às creches.

Rio de Janeiro (RJ)
Ato será nos Arcos da Lapa, região central, com concentração às 13h. O mote é: “Basta de violência contra a mulher! Chega de Machismo, Racismo, Lesbo/Trans/BiFobia e dinheiro para a Copa!”.

Parintins (AM)
Tema: Mulheres invisíveis também têm direitos. Loca: Presídio Público. Horário: 8 da manhã. Debate com as presidiárias sobre as Origens do 8 de Março e Palestra “Os Fundamentos da Violência contra as Mulheres”.

Mossoró (RN)
Ato Público às 8h na Praça do Pax. Haverão mulheres urbanas e rurais da região oeste, das cidades de Baraúna, Governador Dix-Sept Rosado, Tibau, Caraúbas, Carnaubais, São Rafael, Apodi, Serra do Mel, Mossoró, Assu, São Miguel do Gostoso, entre outros. As militantes trarão suas realidades locais aliadas à questões nacionais e internacionais da luta feminista. O ato circulará pelo centro da cidade e se encerrá também na praça do Pax, por volta das 10h30, com batucada feminista, intervenções poéticas e teatrais.

Recife (PE)
Panfletagem e Batucada no dia 07 de março, às 15h, em Recife, na praça do Derby.

Aracaju (SE)
Ato no dia 11/03, com concentração às 9h na Praça General Valadão. Haverá caminhada pelo calçadão do centro da cidade e ato final na Câmara de vereadores de Aracaju, onde a Marcha Mundial fará uma fala na tribuna livre em cima de três pautas: Plebiscito, violência contra mulher e creche. O ato será em articulação com esses movimentos: Marcha Mundial de Mulheres, CUT, Consulta Popular, Sindicato dos Trabalhadores da Educação de Sergipe, Levante Popular da Juventude, Movimento dos Trabalhadores MST, Movimento Organizado dos Trabalhadores Urbanos (MOTU), Movimento Mulheres Camponesas (MMC), Casa das Domésticas e Sindicato dos Domésticos, Associação de Pescadoras de Ilha das Flores, Movimento de Mulheres Trabalhadoras Rurais (MMTR), Diretório Central dos Estudantes da UFS e SINTUFS.

Esteio (RS)

Bloco Mulheres em Marcha. Tema: Mulheres de luta. Avenida do carnaval, dia 07/03, às 00h20.

Porto Alegre (RS)

Bloco Feminista 8 de março: Carnaval pelas ruas da Cidade Baixa, das 18 às 22h. Concentração às 17 horas na rua João Alfredo com a Joaquim Nabuco.

9 de março: Mulheres ocupando as praças em todas as cidades do RS. As mulheres vão organizar bancas para falar, principalmente para as mulheres, sobre a Reforma do Sistema Político e levar informações e pautas das mulheres.

Em Porto Alegre, ocuparemos a Redenção, das 12h às 15h, com Banca, Banners e Intervenções Culturais: poesia, música, etc.

12 de março (quarta-feira): ações de rua e formação feminista em parceria com a Via Campesina. Local da concentração: Parque da Harmonia (perto dos galpões). Hora: 9h.

Belém (PA)
Haverá um ato unificado, às 9h, saindo da escadinha da Estação das Docas até a Praça do Relógio. O tema do ato será: “Mulheres botam o bloco na rua contra todos os tipos de violência”.

Salvador (BA)
O núcleo Zeferina da Marcha Mundial das Mulheres fará intervenções urbanas e batucada feminista no sábado, às 9h, na Praça da Piedade. Como parte das atividades do mês de março, no dia 17 haverá um ato unificado em conjunto com as trabalhadoras rurais acampadas.

Ceará
A Marcha Mundial das Mulheres realiza, em todo Ceará, diversas atividades para reafirmar o 8 de março, Dia Internacional da Mulher, como um dia de luta contra o machismo, a violência e a opressão cotidiana contra a mulherada.

Em Fortaleza, a data será marcada por uma manifestação no centro da cidade. As mulheres farão uma grande passeata a partir das 8 horas deste sábado, com concentração na Praça da Bandeira. O tema do ato será: “Mulheres na rua, a nossa luta é todo dia”. A Marcha trará como pauta a mercantilização do corpo e da vida das mulheres, denunciando que “o Mundo não é mercadoria, as mulheres também não!”.

Em Canindé, as mulheres rurais do Comitê da MMM e do Sindicato de Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais realizarão um ato público pelas ruas da cidade, terminando com a apresentação de nossa pauta na Câmara de Vereadores/as do município por uma agricultora rural. Vamos reivindicar também políticas públicas que protejam as mulheres contra a violência cotidiana que sofremos, como a construção de uma delegacia da mulher no município.

As mulheres de Quixadá realizam, no dia 7 de março o seminário “Mulheres feministas enfrentando a violência contra as mulheres”. As mulheres participam ainda de uma feira agroecológica do município, vendendo seus produtos e mostrando sua contribuição para a economia local, numa perspectiva feminista e solidária. No dia 8, farão uma marcha pelas ruas da cidade, indo até a Câmara dos/as Vereadores/as.

Brasilia (DF)
O 8 de março em Brasília será comemorado a partir das 10h no Espaço Cultural da Estrutural com oficina da Batucada feminista. Com o lema “O mundo não é uma mercadoria, as Mulheres também não!”, a oficina pretende animar os debates do Dia Internacional das Mulheres. Às 14h haverá uma roda de conversa com o tema: A cultura do machismo, o machismo na cultura.

Cuiabá (MT)
Em Cuiabá, a mobilização do Dia Internacional da Mulher contará com atendimento jurídico da Defensoria Pública do Estado de MT e Feira de Economia Solidária – Centro de Comercialização da Ecosol, e debaterá o Plebiscito da Reforma Política, além da Campanha de Prevenção ao Tráfico Humano e Trabalho Escravo.

Comments

  1. Reblogged this on Cosmopolitan Girl.

Trackbacks

  1. […] Aperte e Leia Por que um bloco feminista na Marcha da Maconha Feminista da Marcha Mundial das Mulheres em todo o B… […]

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

SEGUIREMOS EM MARCHA ATÉ QUE TODAS SEJAMOS LIVRES!

%d bloggers like this: