Denúncia de exploração sexual, pedofilia e aliciamento a prostituição em Coari Amazonas

A Marcha Mundial das Mulheres vem expressar seu mais profundo repúdio aos crimes hediondos cometidos pelo prefeito Adail Pinheiro da cidade de Coari – Amazonas, pertencente ao partido PRP e por seus funcionários.

Desde 2008, o prefeito vem sendo acusado de crimes de pedofilia, estupros e corrupção, denunciados pela operação Vorax da Polícia Federal e apesar dos mais de cem processos contra ele, Adail continua exercendo o cargo de prefeito, com total conivência do Ministério Público do Amazonas e do Tribunal de Justiça. Ou seja, um prefeito que tem destruído a vida de mulheres e meninas, encontra nos órgãos de justiça sua maior proteção.

O caso destes crimes hediondos voltou à cena quando uma menina de treze anos que tinha sido ofertada pela mãe ao prefeito para a noite de ano novo, fugiu de casa e denunciou o crime, levando outras meninas e mulheres a quebrar o silêncio e denunciar os estupros, os casos de exploração sexual e aliciamento para a prostituição envolvendo o prefeito e seus funcionários.

Na cidade de Coari, que possui o segundo maior poder aquisitivo do Estado e recebe royalties do petróleo, a maioria da população sofre com a falta de acesso a serviços básicos, como saneamento, saúde e educação, fatores que favorecem o aliciamento de meninas e mulheres para a prostituição.

O 7° anuário revelou que, no Brasil, o crime de estupro é mais elevado do que o crime de homicídios, subindo 18,17% em 2012 e pesquisas como a do IPEA em 2013, mostraram o aumento da violência contra a mulher.

Sabemos que um dos motivos que perpetuam a violência é justamente a impunidade dos agressores. O caso de Coari é um exemplo que demonstra a conivência, a lentidão e a banalização do atendimento à violência contra a mulher pelos órgãos de justiça.

Assim, o machismo que mata, estupra e violenta as mulheres se fortalece nesta sociedade que banaliza e trata a violência contra a mulher e meninas como algo corriqueiro e irrelevante e tenta desqualificar as políticas de enfrentamento à violência, entre elas a Lei Maria da Penha, frutos da luta do movimento feminista.

Temos denunciando frequentemente que a prostituição no Brasil não é opção das mulheres, mas parte de um perverso e cruel sistema de exploração do corpo e vida das mulheres, onde as principais vítimas são as meninas pobres e negras, atentando que no contexto atual, de realização da copa do mundo, obras e megaeventos, o corpo das mulheres e meninas tem sido mais um produto a ser vendido e que tal pensamento vem encontrando respaldo através do projeto de lei 4211/2012.

A Marcha Mundial das Mulheres nacional soma-se à luta do movimento de mulheres do Amazonas e da Marcha Mundial de Manaus e Parintins que neste momento lutam para a punição imediata de Adail Pinheiro e sua quadrilha.

Apoiamos o pedido de federalização deste processo já expedido pela Deputada Erika Kokay, presidenta da CPI da exploração sexual de crianças e adolescentes, pois sabe-se que este criminoso está protegido pelos órgãos de justiça e por políticos do estado e que cair no esquecimento e expor as vítimas a mais riscos e violência.

Apoiamos e exigimos o afastamento imediato deste criminoso das funções de prefeito!

Exigimos a punição com todo o rigor da lei para os casos de pedofilia e de violência sexual contra as mulheres e meninas.

Propomos que os royalties do Petróleo recebidos por esta cidade sejam investidos na educação, na criação de políticas de igualdade para as mulheres, de enfrentamento à violência contra a mulher e meninas, assim como uma política de amparo e proteção às vítimas e politicas para a construção da autonomia econômica para as mulheres como uma forma de evitar que as  famílias vendam as meninas para exploração sexual.     

Propomos que o governo Brasileiro, através dos poderes executivo, legislativo e judiciário apliquem ações de punição ao Tribunal de Justiça e Ministério Público do Amazonas que estão sendo coniventes com este e outros crimes.

 


Imagem postada no Blog da diretoria de mulheres da UNE

 Seguiremos em Marcha ate que todas sejamos livres!

 

Marcha Mundial das Mulheres

 

Fevereiro 2014

 

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

SEGUIREMOS EM MARCHA ATÉ QUE TODAS SEJAMOS LIVRES!

%d bloggers like this: