Feminismo em marcha para mudar o mundo: impressões de duas feministas [em formação] sobre o 9º Encontro Internacional da Marcha Mundial das Mulheres

*Por Ana Luisa Machado e Julia Dias

De 25 a 31 de agosto, 1.600 mulheres de 48 países estiveram reunidas no Memorial da América Latina, em São Paulo, para debater acerca da trajetória e das estratégias do feminismo. O Encontro é auto-organizado (ou seja, com a participação exclusiva de mulheres) como forma de empoderamento da mulher, uma vez que é notória a ausência feminina em diversos espaços, principalmente políticos. Ao longo desses dias foi possível perceber a pluralidade e o alcance do movimento, que agregou mulheres indígenas, sindicalistas, professoras, universitárias, … das mais diversas faixas etárias. Conhecer senhoras que militam desde sua juventude nos mais diversos movimentos sociais foi importantíssimo para dar ânimo a nossas próprias militâncias, em especial tendo a certeza de que estas não precisam se findar com a obtenção de nossos diplomas (e nem podem!).

Manifestação do 9 Encontro Internacional da MMM

Manifestação do 9 Encontro Internacional da MMM

A Marcha Mundial das Mulheres tem suas origens no Quebec, Canadá, quando em 1999 ocorre uma manifestação pública feminista com o lema “pão e rosas”, como resistência contra a pobreza e violência. Ao seu final, diversas conquistas foram alcançadas, como o aumento do salário mínimo, mais direitos para as mulheres imigrantes e apoio à economia solidária. Esse contexto exemplifica perfeitamente quão abrangente é a luta feminista e como a luta contra o patriarcado (estrutura que estabelece relações de hierarquia e desigualdade de gênero) não significa se limitar a tratar o papel da mulher na sociedade. O feminismo, em linhas bem gerais, busca uma sociedade mais igualitária, ausente de intolerâncias (como racismo, machismo, homofobia) e com a presença de um Estado em que a democracia não signifique apenas o direito ao voto, e sim a ocupação dos espaços públicos e a garantia de serviços públicos de qualidade para todos e todas.

No que se refere ao evento propriamente dito, ele foi composto por diversos espaços de formação e de expressões culturais e artísticas ao longo da semana, sendo finalizado no sábado com um ato que ocupou as ruas de São Paulo com a batucada feminista e a presença de 4 mil mulheres. Foram discutidas as mais diversas esferas do feminismo, algumas até então desconhecidas por nós, como a militarização e a alternativa feminista a ela. A segurança nacional, sob essa perspectiva, não necessariamente passa por essa militarização, a qual, além de gerar altos custos ao governo, é um legado dos regimes autoritários latino-americanos e permite impunidade quanto ao desaparecimento de pessoas negras e pobres das favelas (um exemplo extremamente recente é o “onde está o Amarildo?”).

No debate sobre a despatriarcalização do Estado reforçou-se as características deste tal como citadas anteriormente nesse texto e que essa despatriarcalização implica também numa laicização estatal. Debateu-se, ainda, dos desafios enfrentados pelas mulheres na busca por seu empoderamento, em que a falta de uma construção da política de divisão social do trabalho é marcante por restringir as possibilidades no mercado de trabalho para aquelas que têm jornada dupla, ou seja, que são trabalhadoras e mães ao mesmo tempo. Nesse sentido, reconhecemos que a entrada da mulher nesse mercado foi uma conquista fundamental, mas questionamos a respeito de quão libertadora ela realmente foi. A temática da cultura como contra hegemonia também foi trazida como forma desse empoderamento. O Festival “Mulheres no Volante”, de Juiz de Fora, problematizou o machismo na música e, dessa forma, acontece com banda que tenham pelo menos uma mulher tocando qualquer instrumento que seja.

O evento contou com outras problemáticas como a visibilidade lésbica, prostituição, aborto, democratização da comunicação, educação não sexista e diversas outras igualmente impactantes. Realizado pela primeira vez no Brasil, marcou o encerramento do mandato brasileiro no Secretariado Internacional da MMM e a eleição da próxima gestão, que agora será da MMM de Moçambique. As militantes também começaram a organizar a 4ª Ação Internacional da Marcha Mundial das Mulheres, que acontecerá em 2015. As ações internacionais da Marcha são realizadas de 5 em 5 anos.

Integrantes do núcleo Flor de Cacto no Encontro da MMM

Integrantes do núcleo Flor de Cacto no Encontro da MMM

Sobre a nova gestão da Marcha, é válido fazer um rápido relato. Uma mulher diz a uma moçambicana como o fato da secretaria da Marcha ir para lá será extremamente positivo para o movimento. A outra, por sua vez, responde com brilho nos olhos e um sorriso maravilhoso dizendo que, apesar de concordar, acredita que será melhor ainda para a África. Bem, isso poderia ter sido só mais uma conversa que se escuta enquanto espera a fila do banheiro – e você pode até pensar, enquanto lê, que não tem nada demais nesse relato. Para nós, entretanto, ele significou acreditar ainda mais nos movimentos sociais e na força que temos enquanto transformadores da sociedade. Por isso, “seguiremos em marcha até que todas sejamos livres!”

*Ana Luisa Machado e Julia Dias são militantes da Marcha Mundial das Mulheres em Uberlândia.

Comments

  1. Republicou isso em Cosmopolitan Girl.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

SEGUIREMOS EM MARCHA ATÉ QUE TODAS SEJAMOS LIVRES!

%d bloggers like this: