“Eu não sou miss, nem avião! Minha beleza não tem padrão!” MMM de Minas Gerais realiza ação direta na porta do Miss Brasil 2013

Por: Larissa Costa*

Foto: Bruno Santos (Portal Terra).

Foto: Bruno Santos (Portal Terra).

No último dia 28, que por sinal é o Dia Latino-Americano e Caribenho de Luta pela Legalização do Aborto, aconteceu em Belo Horizonte o Miss Brasil 2013. Esse evento, que se não me engano é o maior concurso de beleza do país, traz à tona pautas caras pra nós do movimento feminista. Por isso, nós da Marcha Mundial das Mulheres convocamos o Levante Popular da Juventude e mulheres de várias outras organizações e coletivos para irmos até a entrada principal do Minascentro levar o nosso recado: “Eu não sou miss, nem avião! Minha beleza não tem padrão!”.

Claro, tínhamos que denunciar o padrão de beleza excludente que é imposto às mulheres por essa sociedade capitalista e patriarcal. E isso fizemos. Gritamos alto que somos mulheres e não mercadorias, que não somos objetos para receberem nota. Que não temos que nos submeter a cirurgias plásticas para atingirmos um ideal de beleza, que é branco, magro, alto, cabelos lisos, que é inatingível para a maioria das mulheres. E incomodamos.

Foto: Bruno Santos (Portal Terra).

Foto: Bruno Santos (Portal Terra).

Logo que chegamos, fomos recebidas com vaias. Rapidamente, um dos organizadores do concurso partiu com violência para cima de nós, nos agredindo fisicamente e nos chamando de “feias”. No entanto, com as nossas palavras de ordem contra a violência, conseguimos afastá-lo. Mas nada nos calava. Com o passar do tempo, começamos a perceber que muitas mulheres que estavam na fila começaram a nos apoiar. Elas entenderam o recado. E muitas outras iam chegando perto de nós, algumas ficaram até emocionadas. Porque, no final das contas, estávamos ali por todas: por nós, por aquelas que estavam na fila, na passarela e por todas as mulheres trabalhadoras.

Esse padrão de beleza reproduzido e reforçado em eventos como o Miss Brasil violenta a nós mulheres e enriquece as grandes indústrias farmacêuticas, que vendem seus produtos prometendo a juventude eterna, o peso “ideal”. Com isso, a maioria de nós mulheres temos vergonha do nosso corpo, desenvolvemos anorexia, bulimia e morremos nas mesas de cirurgias plásticas. Somos do jeito que somos. Não temos que buscar a beleza que agrada os homens e a sociedade.

Foto: Bruno Santos (Portal Terra).

Foto: Bruno Santos (Portal Terra).

O que queremos é construir outra sociedade, com igualdade substantiva entre mulheres e homens. Uma sociedade que as mulheres sejam autônomas, sem padrões de beleza, sem violência sexista. Por isso, enquanto existir Miss Brasil, estaremos lá na porta dizendo pra toda a sociedade que não somos nem objetos e nem mercadorias. Somos mulheres. E seguiremos em marcha, incomodando os machistas, até que todas sejamos realmente livres. Livres dos padrões de beleza. Livres do capitalismo. Livres do patriarcado.

Larissa Costa, militante da Marcha Mundial da Mulheres de Minas Gerais.

Foto: Bruno Santos (Portal Terra).

Foto: Bruno Santos (Portal Terra).

Foto: Bruno Santos (Portal Terra).

Foto: Bruno Santos (Portal Terra).

msp5951

Foto: Bruno Santos (Portal Terra).

Comments

  1. Chega de coisificação da vida e do corpo das mulheres. Chega da prisão de nossos corpos na fôrma que dá lucro à indústria de drogas, cosméticos e cirurgias plásticas que vendem a ilusão da eterna juventude. Abaixo a indústria de alimentos que tenta nos enganar com suas fórmulas de emagrecimento que mais levam à subnutrição e engordam os bolsos de seus proprietários.
    É isso mesmo, poderosas companheiras da Marcha Mundial das Mulheres de Minas Gerais! Com a garra de vocês, a manipulação vai minguar. Parabéns! Iolanda Ide

  2. muito orgulho destas meninas ,

  3. Republicou isso em O LADO ESCURO DA LUAe comentado:
    Junte as suas notas qui… (opcional)

  4. Philippe Hassan G. Caldeira says:

    … Desculpe, não conheço o movimento de perto… essa bandeira do aborto até concordo que deve ser legalizado, é proibido proibir. Mas a consciência por trás desse assunto vai muito além de uma simples lei dos homens. Não sou a favor do aborto, mas sou contra uma lei que puna com prisão ou sei lá o quê quem o pratica. Somos livres… Mas Isso exige uma consciência sobre o que é a vida. Se essa for a idéia, apoio o movimento por completo, caso contrário, apoio somente a guerra à estética modelar que ocorre nas passarelas… Saudações pacíficas!

    • Rolim Schulz Lúcia says:

      Sou contra o patriarcalismo, o machismo, a dupla moral da sociedade onde a mulher é vista e tida como mercadoria, a ponto de ser vendida e comprada para satisfazer instindo dos homens machos e/ou psicopatas.

    • Mas é fácil não permitir o aborto e abandonar a criança com a Mãe. Punição severa aos Pais que abandonam seus filhos, que não visitam, registram e somem no mundo. Deixando toda a responsabilidade na mão da Mulher.

  5. O concurso Miss Brasil, existe desde 1954 e se muitos não se lembram, as mulheres que o venciam antigamente nada tem a ver com o padrão de escolha que é usado hoje. Se a questão aqui é revolta, as mulheres magras desta época poderiam muito bem se manifestar contra o concurso por este escolher mulheres com “mais corpo”. É o que sempre digo, não há como agradar a gregos e a troianos. Se a boneca Barbie fosse gordinha, certamente as mulheres magras iriam reclamar e dizer que a indústria está impondo um padrão de beleza onde a mulher tem que ser cheinha, e que aquilo é um preconceito terrível contra as magras e etc…
    Ninguém obriga as mulheres a participarem do concurso, elas vão porque querem, se submetem a processos cirúrgicos para estarem dentro do padrão que o concurso pede. E tudo isso é porque? Porque querem. Não existe sociedade opressora nisso, nem toda mulher sonha em ser miss, em ser a mulher mais linda do Brasil ou do mundo, isto não é um sonho universal. Se uma mulher se sente incomodada com um concurso de BELEZA é porque precisa de um tratamento psicológico sério. Eu, não me incomodo nem um pouco com um concurso desse porque PRA MIM tanto faz quem é a mulher mais linda ou mais feia do mundo, desde que EU me sinta linda, me sinta bem e não precise passar por uma bancada para me afirmar isso. Deixem as moças, elas querem ser símbolos de beleza, problema delas, a escolha é delas. Que mania de achar que tudo é culpa da sociedade que obriga a mulher a ser de um jeito e blá blá. Existe sim o famoso padrão de beleza, mas no caso do concurso Miss Brasil ou Universo, todos sabem que os jurados estão ali para avaliar a beleza das mulheres que estão ali e se candidataram a estar ali. Ninguém as obrigou. Ás vezes é bom a gente se responsabilizar por nossos atos e parar de jogar a culpa na sociedade. Se elas estão ali e fazem dietas malucas, ou passam por processos cirúrgicos para se adequarem, é porque querem, afinal concurso de beleza não é alistamento no exército, ou seja, NÃO É OBRIGATÓRIO. Espero que me entendam, eu apoio e entendo algumas das lutas feministas sim, mas não é com tudo que concordo.

Trackbacks

  1. […] do Minascentro, onde foi realizado o Miss Brasil 2013, o maior concurso de beleza do país. O protesto foi organizado pela Marcha Mundial das Mulheres, com apoio do Levante Popular da Juventude e de […]

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

SEGUIREMOS EM MARCHA ATÉ QUE TODAS SEJAMOS LIVRES!

%d bloggers like this: