Mas e os homens? Ah… essa pergunta insistente

*Por Sarah de Roure

Ontem um amigo me mostrou um site que lista uma série de instituições do mundo onde NUNCA houve nenhuma mulher na sua direção. Melhor dito, uma lista de instituições que sempre foram conduzidas por homens.

A Suprema Corte de Justiça dos EUA; editores chefes do Financial Times, do The Economist, do Wall Sreet Journal, Diretor da BBC; presidentes do Rotary Clube; Bispos da Igreja da Inglaterra; Diretores de musica da Filarmônica de Nova York, da Orquestra Sinfônica de Boston, Chicago, da orquestra da Filadélfia, Filarmônica de Londres, Berlim e Los Angeles, etc.[1]

A lista comportaria ainda muitos outros que o autor não listou, mas ao ler isso imediatamente lembrei do questionamento que sempre nos fazem ao movimento de mulheres : Mas e os homens? Porque só de mulheres? Isso não é segregação?

A resposta parece ser que os homens já estão organizados. Isso mesmo. Já estão organizados como lista o site, nos espaços de poder da nossa sociedade, isso porque é assim que o patriarcado se estrutura.

O raciocínio é simples: A) no mundo existem mulheres e homens. B) Esses dois grupos se relacionam em vários espaços e de diferentes formas. C) tem um tal de patriarcado que confere a eles como um grupo, uns privilégios sobre as mulheres. A conclusão de alguns é: então porque não explicar isso direitinho e convencê-los de que não pode ser assim?

É inquietante que essa pergunta sempre volte, porque continuamos achando que somos nós as mulheres as responsáveis ( mais uma vez??) por debater isso ? Ou seja, além de fazer o trabalho doméstico, ganhar menos nas mesmas funções, morrer por aborto ilegal, ser assediada nas ruas todos os dias, ao nos organizarmos contra o machismo temos que organizá-los também??

Aqui há uma diferença de concepção de por onde passa a luta das mulheres. Ao longo da história do movimento de mulheres, houve as que apostaram na estratégia de convencimento dos homens e das instituições sobre a necessidade de mudar a vida das mulheres a partir do reconhecimento de que essas viviam em uma situação desigual. Por outro lado, outras investiram na idéia de que era preciso organizar as mulheres para construir uma força política na sociedade capaz de se contrapor ao sistema capitalista e patriarcal geradores da desigualdade.

É parte do processo político em que nós da Marcha apostamos, a construção de alianças além do movimento feminista. Em nossa trajetória as alianças são fundamentais, afinal mudar o mundo é uma tarefa grande demais para nós sozinhas! Entretanto essas alianças só são possíveis ao fortalecermos as mulheres para que se reconheçam como as protagonistas da transformação.

Se você é homem e quer ajudar, ótimo! Apóie a nossa auto organização, pergunte para suas companheiras no que pode ser útil enquanto elas estão reunidas.

O patriarcado e o capitalismo se organizam na dicotomia entre o público e o privado, onde nós mulheres estamos destinadas ao universo privado, do cuidado, familiar com tudo o que isso implica. E os homens, se ocupam da esfera pública, do espaço do trabalho reconhecido, da política, do debate, da democracia.

Ao nos organizarmos enquanto mulheres estamos rompendo com esse lugar natural, tomamos a palavra, ocupamos os espaços, nos constituímos como sujeitas políticas de nossa própria emancipação. Só isso já seria rompedor se fosse só isso.

Mas se além disso, essas mulheres debatem de forma crítica,anti capitalista, anti racista, elaboram suas reivindicações e constroem suas alternativas… ah, aí sim estamos mudando o mundo.

 

*Sarah de Roure é historiadora e militante da Marcha Mundial das Mulheres em São Paulo.


Comments

  1. Nao gosto dessa linha de raciocinio. Se voce exclui uma parcela da populaçao apenas por ela ser diferente de voce, voce esta, sim, segregando. Isso nao é um espaço democratico, esta longe de ser. Respeito a autora do texto enquanto feminista e também pelos ideais, mas, no meu entendimento, essa visao de apenas mulheres devem participar de um coletivo a favor do direito das mulheres é uma burrice, pois, inclusive como é possivel ver em seu texto, voce deixa claro que, na sua visao, ser homem significa ser machista, e nao é verdade. Ai, voce piora a situaçao falando, basicamente “no mundo existem homens e mulheres, ou voce esta com eles, ou esta conosco”. Ai eu realmente me decepcionei. Isso é sexista, segregador, e reforça aquele argumento babaca de algumas pessoas de que o movimento feminista nao quer direitos iguais, quer que as mulheres sejam superiores. Sim, é a imagem que voce passa com seu texto e com sua idéia de excluir uma parte da populaçao simplesmente por ter nascido homem.
    Ora, que decepçao. Entao, homens nao podem acreditar nos direitos da mulher?? E se acreditam, nao devem ter o direito de lutar por esses direitos?? E se existem pessoas que nao lutam apenas em beneficio de si proprios – como voce deixou claro que é isso que faz – mas lutam por uma sociedade mais justa, lutam pelas minorias, lutam pelas pessoas que sao prejudicadas por conceitos medievais que insistem em permanecerem na sociedade atual??
    Mas para esses homens voce diz simplesmente “nao, voce nao vai poder lutar pelos seus ideais aqui no meu grupo, simplesmente porque voce é homem…” e tem a CORAGEM de dizer que luta por justiça?? Isso é preconceito, discriminaçao, segregaçao SIM…
    Ai voce vai se defender falando “ah, o homem pode AJUDAR, so nao pode participar ativamente”… E nao é contra esse tipo de açao que voces lutam?? So que, quando é contra a mulher, é errado, mas quando parte de voces, e é contra o homem, tudo bem??? Pq o homem é homem, logo, ele deve ser machista, nao é??

    Olha, acho que voce precisa aprender uma coisa basica:
    Eu nao preciso ser homossexual para lutar pelo direito dos homossexuais. Eu nao preciso ser deficiente fisico para lutar pelo direito dos deficientes fisicos. Nao preciso ser negro para lutar pelo direito dos negros. Nao preciso ser mulher para lutar pelos direitos das mulheres. Tudo o que eu preciso fazer é ser HUMANO.

    Entao, se eu nao sou uma pessoa negra, eu nao posso me juntar a entidades que lutam pelos direitos dos negros?? Entao se eu nao for homossexual, eu nao posso me juntar a entidades que lutam pelos direitos dos homossexuais??

    Se voce quisesse, realmente, ter força maxima para alcançar os objetivos do seu grupo, ter força maxima para lutar pelos direitos das mulheres, para reivindicar, ter voz, chamar atençao, voce nao se importaria com o sexo de quem quer ajudar.

    Qualquer atitude além disso é movida a raiva e vingança, como se todo homem fosse culpado pela existencia do machismo, e nao existissem homens que lutam, diariamente, ao lado de movimentos feministas pela igualdade de direitos.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

SEGUIREMOS EM MARCHA ATÉ QUE TODAS SEJAMOS LIVRES!

%d bloggers like this: