Por que o feminismo tem que ser anti-racista

selo-dia-21-pequeno

 

Hoje, 21 de março, Dia Internacional pela Eliminação da Discriminação Racial, publicamos novamente este texto bastante inspirador da nossa companheira Liliane Oliveira, diretora de mulheres da UNE (União Nacional dos Estudantes) e militante da Marcha Mundial das Mulheres na Bahia.

 

 

 

Por que o feminismo tem que ser anti-racista

Por: Liliane Oliveira*

 

A discriminação racial é um dos pilares das desigualdades do país e ainda persiste a divisão da sociedade entre a “Casa Grande” e a “Senzala”, o “sinhôzinho” e a “mucama”, a falsa democracia racial que estrutura privilégios de uma pequena parcela em detrimento da maioria absoluta da população. O racismo é estruturante na sociedade capitalista e patriarcal e, no processo de histórico de construção da nação brasileira, o povo negro sempre esteve às margens da sociedade, colocado no centro de teorias higienistas que ainda prevalecem, a exemplo das ações de criminalização da pobreza e genocídio da juventude negra.

A divisão sexual do trabalho é base material da opressão e desigualdades, as dimensões de classe, raça e gênero são entrelaçadas neste engenhoso sistema de exploração e acumulação de riqueza. A população negra foi colocada historicamente numa condição subalterna na sociedade, tendo seu papel na construção da identidade nacional invisibilizado. As lutas feministas e antirracistas contribuem de forma decisiva para a alteração dessas relações de poder e construção de igualdade.

Campanha #somostodasfeministas, das mulheres da UNE.

 

As práticas do passado escravagista ainda estão presentes, vivas no imaginário popular e na mídia sexista, assumindo contornos cada vez mais nefastos na vida das mulheres negras. A hierarquização do mundo no que tange classe e raça nos coloca na base da pirâmide social, ocupações mais precarizadas e de baixa especialização, um contingente populacional que apresenta os piores indicadores sociais.

A história das lutas sociais feminista e antirracista no Brasil é marcada por ações que visam a erradicação das discriminações por gênero e raça da estrutura do estado brasileiro, além de buscar a superação das desigualdades através da ampliação de direitos e fortalecimento da democracia.

O feminismo e antirracismo são teorias e prática política, disputa de valores para a construção de uma sociedade mais justa e igualitária. Com essa perspectiva vêm à tona elementos decisivos na compreensão dos desdobramentos do patriarcado racista e sexista.

O mundo da beleza e cosméticos comercializa um ideal inalcançável e é um dos exemplos mais contundentes da mercantilização da vida e do corpo das mulheres negras; além de ditar um padrão de beleza branco, magro e de “traços finos”, tudo o que se refere às mulheres negras é tratado como “afro”, massificado e normatizado. Outro exemplo é no que tange a divisão das mulheres entre santas e profanas e do controle sobre sua sexualidade; as mulheres negras estão associadas ao profano, sexual e brutalmente erotizado, conceitos reforçados pela mídia e grandes corporações que perpetuam ideias sexistas e racistas dos idos do período colonial.

Uma das principais bandeiras que orienta o movimento feminista é a legalização e descriminalização do aborto, pauta que é ordem do dia para diversos setores e que representa a luta da autonomia das mulheres pela garantia de seus direitos sexuais e reprodutivos. O aborto não é um método contraceptivo, ele é o último recurso para se impedir uma gravidez indesejada. A mortalidade materna em decorrência da prática de aborto atinge distintamente as mulheres jovens, do campo e das periferias das cidades, em sua maioria negras e que recorrem a métodos inseguros para realização do procedimento. O genocídio da juventude negra é acentuado com a criminalização do aborto, já que há uma predominância de mulheres negras que morrem em decorrência de aborto inseguro e à espera de atendimento de urgência nas longas filas dos postos de saúde, que ainda as tratam como criminosas. O Estado é negligente em ações efetivas que combatam essas mortes e contribui decisivamente para o genocídio das mulheres jovens e negras. A clandestinidade do aborto alimenta o mercado das clínicas de planejamento familiar que realizam de forma segura o procedimento mediante o pagamento de valores altos.

A materialidade das desigualdades de gênero, raça e classe recaem sobre as mulheres negras de modo particular e palpável. É possível enumerar alguns fatores que apontam tais desigualdades: difícil acesso aos bens públicos (creches, educação, saúde, transporte público, segurança, etc.), moradia, violência, mercantilização, condições desiguais de trabalho e renda. Essas condições só devem ser alteradas a partir de transformações estruturantes na produção do viver e divisão sexual das tarefas. Com garantia de autonomia e promoção da igualdade, estado laico e bens públicos que desonerem as mulheres das tarefas do cuidado.

As políticas de Ações Afirmativas, ainda que tardias, precisam ser cada vez mais efetivas e prioritárias nos orçamentos e gestão do Estado, garantindo assim a autonomia, efetivação de direitos e reparação de uma dívida histórica com as mulheres e homens negros em nosso país.


*Liliane Oliveira é Diretora de Mulheres da UNE (União Nacional dos Estudantes) e militante da Marcha Mundial das Mulheres na Bahia.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

SEGUIREMOS EM MARCHA ATÉ QUE TODAS SEJAMOS LIVRES!

%d bloggers like this: