Do diálogo à resistência das mulheres em Apodi

Por Tica Moreno*

A resistência das mulheres em Apodi é uma expressão do feminismo anticapitalista da MMM. Os direitos que a gente tem nas leis não significam igualdade real na prática se vivemos em um mundo onde predominam os interesses do capital sobre a soberania dos povos. É o que está acontecendo agora, na chapada do Apodi (RN).

Quando a proposta do perímetro irrigado de Apodi apareceu, as mulheres da MMM, em aliança com os movimentos sociais da região, denunciaram que o que estava em jogo eram dois modelos de agricultura.

De um lado, está o agro e hidronegócio. O projeto propõe entregar as terras da Chapada do Apodi e as águas da barragem de Santa Cruz para 5 empresas que produzem frutas para exportação.

Do outro lado, está a agricultura familiar e camponesa e a produção do viver de centenas de famílias, que, a partir da produção em grande parte agroecológica nas pequenas propriedades, representa o terceiro PIB agropecuário do Rio Grande do Norte.

Esse projeto foi apelidado de Reforma Agrária ao contrário. Isso porque o projeto tem por objetivo desapropriar 13.855 hectares de pequenas propriedades para concentrar essa terra nas mãos de 5 empresas da agro-exportação. É uma contradição gigante para o governo, porque, se somarmos os anos dos governos Lula e Dilma, essa quantidade de terra não foi desapropriada para a reforma agrária noRN e, agora, com apenas um decreto, irá das pequenas propriedades para grandes empresas do agronegócio.

Manifestação contra o agro e hidronegócio em Apodi

A soberania alimentar, a reforma agrária e a agroecologia fazem parte da nossa luta por igualdade e autonomia econômica das mulheres, que se articula com uma mudança estrutural no modelo de (re)produção e consumo. No vídeo caseiro abaixo, a Conceição Dantas, conta como as mulheres tiveram que lutar muito pra conquistar a terra e as condições para produzir, como água e infra-estrutura. E da mesma forma tem que lutar para permanecer na terra. Perder as terras significa perder a autonomia econômica e ter que buscar outras formas de sobreviver, provavelmente na periferia das cidades. Mais uma contradição para um governo que quer acabar com a pobreza, mas opera este projeto que privilegia a reconcentração de terra, empurrando mais cidadãs e cidadãos para a exclusão social.

“Não adianta conquistarmos direito a terra e ao crédito, quando o capital avança no campo e o agronegócio reconstrói sua força por dentro do nosso governo e ameaça todas as nossas conquistas com a conivência de quem deveria nos proteger”  Kika- vice-presidente do STTR-Apodi.

Se, em um primeiro momento, a nossa pressão se direcionou para um diálogo com o governo para revogar este projeto, agora estamos em um momento de articular a luta de resistência, pois o governo demonstra ter escolhido um lado, ao implementar a proposta do agro e hidronegócio, e já iniciou a indenização de 35 famílias que serão atingidas pela primeira fase da construção do perímetro irrigado.

Estamos em marcha até que todas sejamos livres. No Brasil, isso significa, também, até que o campo esteja livre do agronegócio.

*Tica Moreno é da SOF e milita da Marcha Mundial das Mulheres em São Paulo.

Trackbacks

  1. […] Se faz necessário que de fato o campo da Agroecologia compreenda e fortaleça o papel exercido pelas mulheres no processo de transição agroecológico. As mulheres são fundamentais na produção de auto-sustento em seus quintais, na promoção de saúde através das plantas medicinais, na manutenção da biodiversidade, para ficar só nesses exemplos. E também são protagonistas de resistência e luta contra os transgênicos, agrotóxicos, pelo acesso aos bens naturais, como lá em Apodi. […]

  2. […] Se faz necessário que de fato o campo da Agroecologia compreenda e fortaleça o papel exercido pelas mulheres no processo de transição agroecológico. As mulheres são fundamentais na produção de auto-sustento em seus quintais, na promoção de saúde através das plantas medicinais, na manutenção da biodiversidade, para ficar só nesses exemplos. E também são protagonistas de resistência e luta contra os transgênicos, agrotóxicos, pelo acesso aos bens naturais, como lá em Apodi. […]

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

SEGUIREMOS EM MARCHA ATÉ QUE TODAS SEJAMOS LIVRES!

%d bloggers like this: